5.6.11

Ofuscada.


Admirável mundo esse onde a vida me flutua enquanto respiro. Contudo que nada mude, eu continuo a sorrir para meu espelho e acabo encontrando a perfeição. Quão bom seria se os sorrisos fossem valiosos, digo, quão bom seria se isto fosse verdadeiramente verdadeiro. Repentinamente, a vida mostra-me outro lado da moeda, outro lado imperceptível aos olhos dos outros. Abro a janela da certeza e lá só enxergo o que eu já concluía. Nada além de um deserto e um sol que queimava minha retina lentamente. Porém, minhas pernas se entrelaçaram entre si, como se não quisessem voltar. Mas eu queria. E queria mais que tudo. Lutei com todas as minhas forças, mas quando retornei todas as minhas páginas estavam amassadas. E foi então que eu enlouqueci. Continuo enlouquecendo. Não sabendo mais pra que lado ir, ou pra que lado chegar. Fico um tempo pensando em meu estado inevitável. Pra onde foi que a vida me levou, afinal? De nada sei. Fico pensando em formas e várias formas de encher esse buraco que surge em mim. Mas aí então, acontece algo inevitável. Um soco no estômago, e o ar começa a poluir-se de sentimentos ruins que eu nem sequer sabia que existiam. Não ligo. Não posso ligar. Tudo parece sem sentido agora. E eu sinto que isso é recíproco. Digo, eu estou deixando essas coisas acontecerem, e tudo então, fica pior, a cada tic-toc do relógio, novas chances vão surgindo. Mas não enxergo na maioria das vezes, pois minhas pálpebras estão embaralhadas, graças à essa solidão e essa dor sem sentido. Solidão repentina essa que confunde minha mente e me faz pensar vazio. Faz-me sonhar com o nada. O meio do nada. Nada. Nada parece mais fazer sentido. Pois é só o nada que existe. Por mais que eu finja que não, minha mente grita: SIM! SIM! SIM! Sim, eu já me acostumei com isso. Então, por esse motivo não temo mais o que ainda está por vir. Porque sei que depois das páginas amassadas, devo aprender a desamassá-las, para que então, eu escreva novas palavras formando assim, novos sentimentos. Sentimentos esses que espero que sejam bons. Que espero que não ofusquem minha visão. Espero que novas páginas surjam, novas páginas possam ser desamassadas. E para que mais que tudo, eu perceba que por mais inútil que tudo isso possa parecer. A dor é só uma exceção, e o que eu sinto é muito mais do que uma simples exceção. É a regra. Por mais que eu negue. A regra é sobretudo, o essencial. Independente do que o resto pode me fazer sentir. Certamente, as coisas ruins não poderão ser anuladas pelas boas. Mas não significa que as boas são minoria. Às vezes são a maioria. E na maioria das vezes, valem muito mais.

18 comentários:

Rafa disse...

poxa bonito demais, do inicio ao fim... uma bela divagação

http://cemiteriodaspalavrasperdidas.blogspot.com/2011/06/romance.html

Afrodite S2 disse...

é isso ai

penso bem assim como vc mesmo,o essencial realmente é invisivel aos olhos...
tenho pensado tanto sobre isso ultimamente..
tentando dar o melhor de mim mesmo que o mundo sempre retribua com o contrario..
tentando entender tb se é so coisa da minha cabeça,mas acho que nao
o amor anda mesmo se esfriando...
mas
bem
alguem tem que começar novamente a plantar a sementinha né??

beijins em seu doce coração e passa no meu blog pra participar dos sorteios tb

http://dicasdaafrodite.blogspot.com/

Ana C. Nonato disse...

Olá!

Acho excelente que escreva. Escreva muito! Faça refletir que este, ao que me parece, é o seu dom. A sua escrita faz sentir.
Mas não fique no âmbito das emoções. A literatura pode proporcionar um leque de opções, um mundo de leitores, muitos deles carentes de palavras. Escreva muito, faça sorrir ou chorar.
É o que aconselho: estude muito pois, apesar de o que escreve ser bom, tudo pode ser melhorado. E busque não somente traduzir seus próprios sentimentos, tente alcançar outras pessoas que também os possuam.

Abraço!

Clarinha disse...

Adoro textos que façam refletir, adorei !

Bjs
http://maviealeatoire.blogspot.com/

Long Haired Lady disse...

uma vez li em algum lugar que a gente devia listar as coisas boas que nos acontecem e que nos surpreenderíamos ao vermos que são bem mais que as coisas ruins.

Georgette. disse...

As dores só nos mostram quão forte somos, belo texto.

Flavia Aline disse...

.... E então eu senti, que alguém consegue escrever exatamente, tudo aquilo que Sinto.
Lindo Texto!

ana costa disse...

Bom texto, escrita forte e com muito sentimento e emoções. Gostei, continue, pois é através da escrita que nós deitamos cá para fora as nossas emoções

Marcela disse...

E como fênix, vamos renascendo depois da várias dores pelas quais atravessamos vida afora...Belo texto!

Nara Sales disse...

Uma fase boa não anula uma fase ruim outrora vivida, mas ela pode nos dar sentido, compreende?
Essa antítese diária é o que nos ajuda no próximo passo a ser dado.
Lindo o seu cantinho. Beijo.

Fernanda Zanol. disse...

Que texto lindo! Adorei.

E tô de blog novo, passa lá?
beeijo :*

deia.s disse...

Uh, eu sou uma doçura online - rs.
Gostei bastante daqui, seguindo-te.
Deixo meu cantinho:

http://amar-go.blogspot.com/

Se puder segue também,
desde já agradeço. :)

Gabi disse...

oi,
Acho fantástico o seu blog. Seus textos são inspiradores e seu jeito de escrever, envolve. Bom, estou te seguindo e também possuo um blog, se quiser dar uma olhadinhaa:
http://gabifcrodriguez.blogspot.com/

beijos

Carol Parra disse...

eu costumava odiar tumblr mas o seu é muito lindo. e agora seu blog. vc escreve muito bem. muito lindo. vc prende. parabéns

Natalia Campos disse...

Pois quando sou fraca é que sou forte. Belo texto, querida. Você escreve lindamente bem. Sou sua mais nova seguidora. Au revoir.

Sofia disse...

Ahan. Muito inteligentes as suas postagens ssão e as vezes põem palavras nas nossas bocas :D

Larissa Poli disse...

Adoro seus textos e a forma clara e objetiva com que você se expressa. Me identifico muito com seu Blog,e admiro demais a forma com que expõe seus sentimentos.

Quando puder dar uma olhadinha,está aqui meu blog: http://larypoli.blogspot.com/

Artur César disse...

muito bom a definição desse seu devaneio. Em meio a anseios e devaneios, seguimos com nossos medos, ,arrastando sempre a esperança em meio a tantos tropeços! abrir a janela e fechar os olhos, coisa que corriqueiramente fazemos. seguindo seu blog, gostaria de te ler mais !